História

É o mais dócil e fiel cão de todas a espécie canina. O seu forte desejo de querer agradar
ao seu dono faz dele um excelente cão de companhia com enormes aptidões para ajudar
os outros.

Os Labradores Retrievers são provenientes da Terra Nova. Pescadores britânicos
naturais de Bristol e que faziam escala neste local, terão, provavelmente, trazido cães que
se implantaram posteriormente.

Em 1662, W. Cormack, natural de St. John realizou uma viagem a pé pela Terra Nova e
relata a existência de pequenos cães de água negros, “admiravelmente treinados para
recolher a caça” (Retriever).

A sua pelagem curta constitui uma vantagem comparativamente aos cães de tipo Terra
Nova pois não forma gelo ao sair da água. São também, excelentes e vigorosos
nadadores e o seu tamanho permite-lhes acompanhar os marinheiros nos “dory”
(pequenos barcos que serviam para ir a terra a partir dos barcos ancorados).

Atribui-se a Lord Malesbury e ao Coronel Hawker a importação para Inglaterra dos cães
de “St John”. Numa carta a um amigo, o filho de Lord Malesbury explica que denominou os
seus cães de “cães de Labrador” e afirma que procurou conservar a raça o mais pura
possível de forma a não perder um cão “cujo pêlo ao sair de água parece ter sido imerso
em óleo” e que possui uma “ cauda de lontra.

Utilizado inicialmente para o trabalho em águas frias, o Labrador desenvolveu qualidades
visuais e olfactivas excepcionais. Calcula-se que possua 220 milhões de células olfactivas,
ou seja 2 vezes mais do que outras raças ( o Teckel – 125 milhões. O Bulldog Inglês – 100
milhões). Consegue também memorizar o ponto de queda de diversas aves (até 10).


HISTÓRIA E ACTUALIDADE


1814 - primeira referencia escrita da raça; deve-se ao coronel Peter Hawker, que
descreve minuciosamente o seu trabalho como caçador na água.


1825 – o segundo conde de Malesbury exportou para Inglaterra os primeiros St. Johns,
também chamados “pequenos Terranova”. O seu filho, o terceiro conde, teve o mérito de
mudar e popularizar o novo nome da raça: Cão de Labrador.


1904 – o Kennel Club de Londres reconhece oficialmente a raça como Labrador Retriever
e classifica-a dentro do grupo de cães de caça.


1916 – dois amantes da raça, Lady Howe e Lord Knutsford, fundaram o “Labrador Club”.


1917 – o American Kennel Club (AKC) inscreveu pela primeira vez nos seus livros de
origens um exemplar de Labrador. Dez anos depois havia uma escassa dezena de cães
Labrador nos Estados Unidos. Hoje é a raça com maior número de inscrições no AKC.



O SEU TEMPERAMENTO


Apesar do seu tamanho e do seu apetite descontrolado, é um dos cães de companhia
mais apreciados em todo o mundo. A sua silhueta robusta inspira simpatia, é paciente,
brinca incansavelmente com as crianças e é silencioso, ladrando apenas nos casos
necessários.



UMA CURIOSIDADE


Sem duvida que o Labrador alcançou uma grande popularidade, tanto no terreno da caça
como no da companhia. As crianças adoram-no e ele retribui com muita brincadeira. E há
muitas personalidades que têm sido fotografadas a seu lado; por exemplo, é a raça canina
preferida da família real Inglesa e espanhola.


                                                Estalão




APARENCIA GERAL: cão de constituição forte, região renal curta e muito activo. Tem o
crânio e o peito amplos, costelas amplas e profundas e os membros posteriores são largos
e fortes.

CRÃNIO: amplo, nítido, sem apresentar pómulos carnosos. Depressão naso-frontal (stop)
definida.
PESCOÇO: nítido, robusto, poderoso, inserido em ombros bem colocados.

COSTAS: niveladas.

LOMBO: amplo, curto e forte.

EXTREMIDADES ANTERIORES: os membros anteriores apresentam bom osso e, vistos de
frente ou de lado, devem ser rectos desde os cotovelos até ao chão.

EXTREMIDADES POSTERIORES: bem desenvolvidas, garupa não inclinada, até à raiz da
cauda.

CAUDA: é uma característica distintiva da raça. È muito grossa ma base e adelgaça-se
gradualmente até à ponta. De tamanho médio e sem franjas, mas deve estar bem coberta
de pêlo curto, grosso e denso, que lhe dá a aparência “redonda”, descrita como cauda de
“lontra”. Pode ser levada alegremente, mas não enroscada sobre o dorso.

ALTURA Á CRUZ: machos 56 a 57 cm e fêmeas de 54 a 56 cm.

PESO: de 32 a 35 kg.

CAPA: totalmente preta, amarela ou fígado/chocolate. A cor amarela varia desde o creme
claro ao vermelho da raposa. È permitida uma pequena mancha branca no peito.

PÊLO: o pêlo é uma característica distintiva da raça e deve ser curto e denso, sem
ondulações. Ao tacto deve dar a sensação de ser bastante duro.

ORIGEM: Grã Bretanha

GRUPO: oitavo, secção 1, cães cobradores de caça

ESPERANÇA MÉDIA DE VIDA: 16 anos

CARACTER: sociável

RELAÇÃO COM AS CRIANÇAS: muito dócil

RELAÇÃO COM OUTROS CÃES: tranquila

APTIDÕES: salvamento, companhia e guia

NECESSIDADES DE ESPAÇO: apto tanto para campo como para viver num apartamento.

O Labrador precisa de uma educação firme desde cachorro. Não ceda ao seu olhar doce,
pois é um erro que o transformará num cão caprichoso e rebelde. Não é de forma
nenhuma um cão independente no sentido em que precisa de se sentir parte da família
que o “adoptou”. Não é, portanto, aconselhável a donos que não têm tempo para passar
com a sua mascote.

O Labrador detesta a solidão e tem necessidade de ter algo para brincar. Se o deixar
muito tempo sozinho em casa, poderá ter algumas surpresas desagradáveis.

Como cão de família é excelente. É um cão que se dá lindamente com crianças, sendo o
seu amigo mais fiel. A sua personalidade faz com que adore partilhar o seu espaço com
humanos, apesar de também se adaptar muito bem a outras mascotes que haja em casa.

O Retriever do Labrador é um dos cães mais inteligentes, sendo muito fácil de ensinar,
pois tem sempre motivação de querer agradar ao seu dono. É um cão bastante activo, e
portanto gosta muito de brincar, de correr ou de nadar. Um dos jogos que mais aprecia é a
busca de um objecto. Isto ajudá-lo-á a manter o peso ideal.

Por ser um cão de pêlo curto, não tem tanta necessidade de cuidados do pêlo como os
cães de pêlo comprido, mas pelo menos uma escovagem por semana é essencial.

MOVIMENTO: movimento desenvolto e que cobre terreno suficiente; as extremidades
anteriores e posteriores movimentam-se em planos paralelos ao eixo do corpo. Apesar do
seu aspecto pesado é um cão ágil.
Vale da Beloura